Censurado: agricultura urbana

06/11/2009


Após o colapso da União Soviética em 1991, foram plantados em Cuba milhares de jardins por cooperativas urbanas para reduzir e substituir o racionamento de alimentos importados. Como resultado de três furacões em 2008, que destruiram 30% das culturas agrícolas, o país voltou novamente para a agricultura urbana para incrementar a produção. Cerca de 15% dos alimentos do mundo é produzida em áreas urbanas, uma prática que deve crescer dado o aumento do preço dos alimentos, a crescente população urbana e o aumento das preocupações ambientais.

A agricultura biológica urbana floresceu em Cuba em terras não-aráveis, juntamente com os estacionamentos e os telhados nas cidades. Eles se desenvolveram a partir de um plano militar para auto-suficiência em caso de guerra e se desenvolveu como um exemplo da soberania alimentar e sustentabilidade. Os jardins têm-se revelado extremamente populares e ocupam aproximadamente 35.000 hectares (86.000 acres) de terra em toda a ilha. Jardineiros aumentam suas lavouras orgânicas e vendem seus produtos para a comunidade, imunizadas contra a volatilidade dos preços dos combustíveis e dos transportes. Em setembro de 2008, o governo começou a arrendar terras não utilizadas para os agricultores e cooperativas.