Jeff Golub

28/08/2009


Hoje escutei o último álbum do guitarrista de blues-jazz Jeff Golub. Há uma tendência pro smooth-guitar, mas seu mérito são as boas frases de guitarra que preenchem todo o disco. O ex-sideman de Rod Stewart preenche uma lacuna entre o rock-blus e a superabundância do gênero R&B e a elegância de artistas como Chris Botti. Concebido como uma comemoração de conversas com os amigos, a Grand Central encontra Golub feliz no meio de uma estação,uma jamming dura e rápida como se as portas do metrô estivessem se fechando e ele lá, prestes a saltar vagão adentro. Com uma certo feeling funky, mostra uma profundidade emocional única, fazendo sua guitarra suavemente chorar em um cover de "Something".O tecladista Chris Palmaro gera uma harmonia piano flutuante para baixo no scorcher brassy "Olá Betty" (inspirado em um comercial romântico!) Tão facilmente como ele cria uma retro-chill em Sly Stone's "If You Want Me to Stay" (a melhor afinal, uma vibe que ecoa um Golub ao estilo do seu disco anterior, Temptation). Sobre o Ray Charles-influenciado "The Way I Feel Tonight", o charme do guitarrista, doce bluesy é levado por Palmaro B-3 e o pianista de jazz shimmer Kenny White. Golub sempre inclui faixas com seu smoothie de todos os amigos-estrela: aqui Rick Braun é lembrado na seção "Hello Betty", Kirk Whalum fica escura e fria sobre a jazz acústico "Slinky", e Richard Elliot mantém o cliente satisfeito em um agradável cover de "Ain't No Woman Like the One I Got". Uma das faixas pertence a Philippe Saisse, que invoca o espírito de Les McCann stunningly no enlouquecido soul drenched-jam jazz "Mojito", uma faixa inspirada por uma bebida. É muito bom ouvi-lo novamente.